segunda-feira, 19 de junho de 2017

A Judite e os mortos

Às vezes a gente está tão perto da árvore que não vê a floresta. Em época de incêndios florestais vem a preceito a comparação. Vamos por assim dizer que o caso do grande incêndio é a floresta e o caso da Judite de Sousa é a árvore. 

Caso do grande incêndio (a floresta): Dezenas de mortos, falta de meios para acudir às populações, estratégias de combate deficientes, pessoas desviadas de carro para a morte...

Caso da Judite de Sousa (a árvore): Fez um directo para o telejornal em que apareciam cadáveres no fundo. 

Os mortos mostrados no directo da Judite são a consequência do grande incêndio! Da falta de meios para acudir às populações, das estratégias de combate deficientes, de pessoas aparentemente terem sido instruídas por autoridades a dirigirem-se por determinado caminho para dentro do fogo. Mas o que choca mesmo é o directo da Judite??

Nos últimos tempos foi-se enraizando uma cultura do politicamente correcto que só leva ao desvio de atenções, que enviesa as discussões, que altera prioridades e choca pelas razões erradas.

Infelizmente, a Judite de Sousa é directamente afectada por esse problema e duplamente. Aqui há tempos foi notícia por ter dito num programa de televisão ou de rádio que tinha presenciado uma chacina no Uganda e foi acusada de, sei lá, não ter chorado ao falar disso (!?) e chocou as pessoas que viram/ouviram. Agora é acusada de ter mostrado vítimas de um incêndio na televisão que chocou os espectadores. Ora, o que devia chocar as pessoas é a chacina no Uganda e não a quantidade de emoção com que a Judite falou dos mortos. O que devia chocar os espectadores é o incêndio e o que não foi feito para que tivesse tido as consequências nefastas que teve e não a Judite ter feito um directo com mortos no chão. A prioridade é discutir a floresta, não a árvore! Os factos tendem a ser mais importantes do que a apresentação dos factos.

O mesmo principio pode ser aplicado à Judite de Sousa: o importante é julga-la pela sua competência ou falta dela (o Medina Carreira que o diga) e não por episódios de falta de sentimentos ou emoções ou falta de gosto na escolha da cor do baton.



quarta-feira, 14 de junho de 2017

I play man, I play...

Kind of a Monster é um documentário patrocinado pelos Metallica sobre eles próprios. As filmagens decorriam quando, coincidência ou não, a banda teve um período cheio de interrogações, as coisas não fluíam, as prioridades não estavam bem definidas e as certezas sobre o futuro passaram a dúvidas. Coisas que acontecem tal e qual na vida real.

A série Billions acompanha um gestor de um fundo de alto risco e os seus problemas com a justiça - relações com Wall Street, relações com políticos e Donos Disto Tudo, informação privilegiada e os negócios do costume. O gestor é rico, tem casa de rico, tem mulher de rico e tem vida de rico. Mas os problemas com a justiça e os negócios errados afectam a vida pessoal causando um período cheio de interrogações - as coisas não fluíam, as prioridades não estavam bem definidas e as certezas sobre o futuro passaram a dúvidas. Coisas que acontecem tal e qual na vida real.


Tal como ficou registado em Kind of a Monster, os Metallica ultrapassaram os obstáculos dessa forma, just playing. O John Lennon, colega de profissão do James Hetfield também dizia que "life is what happens to you while you're busy making other plans". So, just play man...

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Champions League: campeões e derrotados por ano

Nas ultimas 5 finais a que foi, a Juventus perdeu-as todas. O Real Madrid apenas perdeu 3 finais da Liga dos Campeões em toda a sua história - para Benfica, Inter de Milão e Liverpool.

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Benfica: a expectativa e a realidade das ultimas duas épocas

Voltando a julho de 2015: Jesus sairia do Benfica e era contratado pelo Sporting, o Benfica que tinha acabado de ganhar o campeonato ainda perderia o lateral direito titular para o Porto, que na segunda época de Lopetegui se reforçaria ainda com Casillas acabado de chegar do Real Madrid, o ferrari Imbula e Tello, promessa do Barcelona. A época 2015/2016 seria assim discutida entre Porto e Sporting, os favoritos a ganhar o título e que ainda ganharam a Supertaça à ex equipa de JJ. Se não fosse pelo Benfica, que ainda chegou aos quartos de final da Champions League e foi eliminado pelo Bayern de Guardiola. 

Previsão na luta pelo Campeonato: Porto vs Sporting     Campeão: Benfica
Previsão na luta pelo segundo lugar: Benfica                    Segundo: Sporting 

Julho de 2016: O Sporting, que competiu pelo campeonato com o Benfica na época anterior foi aclamado como vencedor "do merecimento" pela imprensa amiga e máquina de propaganda leonina. A época de 2016/2017 não haveria de fugir, o Porto estava de rastos e sem reforços que o fizessem sonhar e o Benfica tinha ganho o campeonato anterior por sorte. E arbitragens. O Sporting consegue manter a espinha dorsal da selecção que havia ganho o campeonato europeu e juntava-lhes o ex craque do Benfica Markovic e a promessa do Arsenal Joel Campbell. Em dezembro já tinha perdido o campeonato. O Porto de Espirito Santo conseguiu bater-se até ao fim com o Benfica.

Previsão na luta pelo Campeonato: Sporting                        Campeão: Benfica
Previsão na luta pelo segundo lugar: Benfica vs Porto         Segundo: Porto

 

sexta-feira, 5 de maio de 2017

quarta-feira, 29 de março de 2017

Olá Lisboa, autarquicas

As coisas não têm sido fáceis para Passos Coelho. Ganhou as eleições depois de governar na bancarrota e foi substituído pela geringonça unida de esquerda liderada pelo António Costa, ex número 2 de José Sócrates, o tal que havia provocado a bancarrota. Como uma desgraça nunca vem só, demora a vir o diabo como previra o Passos e as vitórias para inglês ver de que a geringonça se gaba deixam-no cada vez mais em piores lençóis. Esta é a altura propícia ao "kick him when his down", aproveitada logo dentro do partido pelo PSD-Lisboa que não se coibiu de contratar a voz mais visível contra o líder Passos - José Eduardo Martins - para fazer o programa para a Capital. Como se não bastasse o atrevimento do PSD-Lisboa, o próprio Eduardo Martins também não se fez rogado e aceitou - o que só lhe fica mal - sem vergonha nenhuma. Ficou a faltar o candidato.

Aproveitando a indefinição e a luta interna do ex parceiro de coligação, o CDS chegou a Cristas à frente e assumiu a luta ao Medina, ex número 2 de António Costa em Lisboa e de longe previsível vencedor das eleições que se avizinham. Encorralado, Passos escolheu não apoiar a candidata da direita e avançou com fabricação própria, Teresa Leal Coelho, para fazer frente a Medina e por arrasto à Cristas. 

No estado actual, é empiricamente aceite que o ex número 2 do ex número 2 de Sócrates - Medina - já ganhou as eleições e só é preciso ver por quantos é que a direita vai perder para medir o tamanho da derrota. Mas, e se...?

Medina parte para a corrida sendo o Internet Explorer da eleição: dominador, aclamado por todos e, principalmente, sem concorrência. Depois aparece a Assunção Cristas, o Mozzilla Firefox, que vai conquistando o seu lugar junto dos insatisfeitos e consegue superar a margem residual com que iniciou a contagem. E é aí que entra o Google Chrome: De surpresa, ninguém dá nada por ele e de repente...Era giro. Porque o Anthony Soprano é que era o chefe, mas o Silvio Dante não era anjinho nenhum.
Site Meter Site Meter