sexta-feira, 5 de maio de 2017

quarta-feira, 29 de março de 2017

Olá Lisboa, autarquicas

As coisas não têm sido fáceis para Passos Coelho. Ganhou as eleições depois de governar na bancarrota e foi substituído pela geringonça unida de esquerda liderada pelo António Costa, ex número 2 de José Sócrates, o tal que havia provocado a bancarrota. Como uma desgraça nunca vem só, demora a vir o diabo como previra o Passos e as vitórias para inglês ver de que a geringonça se gaba deixam-no cada vez mais em piores lençóis. Esta é a altura propícia ao "kick him when his down", aproveitada logo dentro do partido pelo PSD-Lisboa que não se coibiu de contratar a voz mais visível contra o líder Passos - José Eduardo Martins - para fazer o programa para a Capital. Como se não bastasse o atrevimento do PSD-Lisboa, o próprio Eduardo Martins também não se fez rogado e aceitou - o que só lhe fica mal - sem vergonha nenhuma. Ficou a faltar o candidato.

Aproveitando a indefinição e a luta interna do ex parceiro de coligação, o CDS chegou a Cristas à frente e assumiu a luta ao Medina, ex número 2 de António Costa em Lisboa e de longe previsível vencedor das eleições que se avizinham. Encorralado, Passos escolheu não apoiar a candidata da direita e avançou com fabricação própria, Teresa Leal Coelho, para fazer frente a Medina e por arrasto à Cristas. 

No estado actual, é empiricamente aceite que o ex número 2 do ex número 2 de Sócrates - Medina - já ganhou as eleições e só é preciso ver por quantos é que a direita vai perder para medir o tamanho da derrota. Mas, e se...?

Medina parte para a corrida sendo o Internet Explorer da eleição: dominador, aclamado por todos e, principalmente, sem concorrência. Depois aparece a Assunção Cristas, o Mozzilla Firefox, que vai conquistando o seu lugar junto dos insatisfeitos e consegue superar a margem residual com que iniciou a contagem. E é aí que entra o Google Chrome: De surpresa, ninguém dá nada por ele e de repente...Era giro. Porque o Anthony Soprano é que era o chefe, mas o Silvio Dante não era anjinho nenhum.

terça-feira, 7 de março de 2017

O Benfica negócio

Aqui há dias houve mais uma entrevista do Presidente Vieira à televisão, neste caso do Correio da Manhã. Do Presidente há quem goste (pelo demonstrado nas eleições a clara maioria) e há quem não lhe aprecie o estilo. Quanto a resultados, aparentemente ninguém põe em causa o mérito, isto dentro da razoabilidade de num mercado concorrencial não se ter de ganhar todas as provas disputadas, pelo que o que foi conquistado nuns últimos anos tendo em conta o contexto e o histórico recente é bastante apreciável.

O modo como o Benfica é gerido actualmente é - como de resto tem de ser nesta sociedade moderna em que o romantismo ocupa um lugar igual ao percentual ocupado pelo capítulo de receitas de cotas de sócios - de cariz empresarial em que há receitas, custos, amortizações, dividas, juros em afins. Como de resto foi elogiado pelo ex administrador da SAD do FCPorto Angelino Caldeira, a estratégia que o Benfica tem aparenta ser a mais adequada ao mercado português - periférico, com pouco público (consumidores) e consequentemente com volume de receitas inferior.

Assim sendo, e não tendo argumentos para disputar mercados publicitários e de televisão com outros clubes europeus com os quais tem de (e consegue) competir desportivamente, a fonte de financiamento tem de ser focada nos jogadores. E isto significa tratá-los como bens, adquiri-los a preços baixos e vendê-los a preços altos e com alta rotatividade.

A tendência será os jogadores ficarem cada vez menos tempo no clube para que o seu preço possa pagar a estrutura e a chegada de outros jogadores que lhes ocupem o lugar ou pagar mais a outros para que fiquem mais tempo. Os jogadores mudam e o clube fica (e sustenta-se e prospera).

Posto isto, é justo dizer que os jogadores são o produto da nossa empresa e tal como os sapatos são o produto de alguma outra empresa ou os carros serão o produto de outra, é preciso po-los no mercado e vende-los. E como consegue uma empresa de sapatos vender o seu produto? Hoje, não basta ir a uma loja e esperar que o responsável faça uma encomenda: em empresas de dimensão que não lutem pelo mercado do bairro, tem de exportar, internacionalizar e fazer conhecer o produto lá fora. E por muita boa vontade que se tenha, mostrar os sapatos na televisão não faz o truque. Há milhares de sapatos a aparecerem na televisão - e a Liga dos Campeões tem muitos clubes com muitos jogadores bons como os nossos e até melhores. Agora, se eu conhecer um comercial que tenha boas relações com várias lojas pelo mundo fora, talvez os responsáveis por essas lojas estejam mais propensos a aceitar a sugestão do comercial e a encomendar os sapatos que eu produzo.

Não será justo que eu pague ao comercial o serviço de intermediação? Acho que sim. Para essas coisas é que existem os Jorge Mendes da vida. Ter um Jorge Mendes é um trunfo para o Benfica ganhar dinheiro e será sempre bom tê-lo enquanto valer o preço que cobra. Não é em regime de exclusividade, que nestas coisas é sempre bom não por os ovos todos no mesmo cesto e a concorrência é sempre proveitosa. 

O futebol funciona com dinheiro. A vida funciona com dinheiro. Como disse o Seinfeld, as pessoas não recusam dinheiro - é o que nos separa dos animais. Então, bola para a frente e penálti pró Porto.



quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Mário Centeno, o conquistador

Mário Centeno é aquele gajo que passou pela boazona na rua. Meteu conversa, deram os números de telemóvel um ao outro e nas mensagens que trocaram ele disse-lhe tudo o que ela queria ouvir a ver se a conseguia comer. Disse-lhe que a amava, que se casaria com ela e a faria a mulher mais feliz do mundo. Ela acreditou e quando deu conta acordou sozinha deitada nua na cama e o Mário já se tinha ido embora. Crente nas mensagens tão amorosas que o Mário lhe enviava foi-se deixando levar (para a cama). O Mário andava todo satisfeito até que a gaja começou a cobrar, a ligar lá para casa, a bater-lhe à porta e a queixar-se aos amigos. O Mário lamentou ter-lhe dado falsas esperanças mas que era muito jovem para assumir um compromisso tão sério e desmentiu as promessas, mas já nem queria saber do assunto porque até já tinha engatado outra.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

O Dortmund foi à Luz e perdeu

O Tuchel diz que o resultado foi ridículo. Na opinião de alguns adeptos o Benfica ontem perdeu, tal foi a vergonha da exibição. Aparentemente o Dortmund está na moda e é escandaloso não ganhar os jogos todos mas o estádio na segunda circular ao qual os amarelos foram jogar ontem não foi o de Alvalade. 

O Benfica entrou bem na primeira parte assim como entrou bem na segunda. Se na primeira acabou por ser dominado, não foi uma coisa de nitidez tão absurda e para uma equipa que tem jogadores daquele nível não é de estranhar. Já na segunda, o Dortmund entrou a perder e foi buscar o golo que o Benfica tentou defender. Normal!

O Aubemiyyanng falhou um golo isolado na primeira parte numa jogada corrida - acontece!
O Abemiangyinn falhou um golo isolado na segunda parte - a acumulação é mais estranha mas foi uma bola que lhe foi parar aos pés vinda de um ressalto e em que não é certo que não estivesse adiantado face ao ultimo defesa.
O Aubbemyoong falhou um pénalti - uma terceira oportunidade na cara do guarda redes falhada já é uma aberração estatistica mas, o pénalti não foi para punir uma bola que ia entrar na baliza e que foi cortada com a mão, não foi para derrubar um jogador isolado frente à baliza. Foi um braço que ficou à solta num carrinho para impedir um cruzamento. E nem sequer foi de propósito!
Houve outra que o Ederson sacou num remate fora da área mas...a defesa foi de categoria porque a bola ressaltou num jogador à frente dele.

Resumindo, o Dortmund falhou uma única oportunidade flagrante criada (em que não precisou da tão aclamada sorte que o Benfica teve para resistir ao ataque dos alemães). O resto é o resto.

domingo, 29 de janeiro de 2017

os argelinos que fugiram do aeroporto de Lisboa e o minitério público

Coisas ridículas: desde os atentados do 9/11 a indústria da aviação sofreu muitas mudanças nos costumes de segurança, mas aparentemente essas modernices não chegaram a Portugal. Aqui, é possível não utilizar os corredores de segurança normais, escapulir-se para a pista e sair do aeroporto pulando a rede. O sistema é tão idiota que o ministério público não consegue enquadrar isto num qualquer crime. E a juíza limita-se a seguir o guião e absolver. Ninguém é chamado a prestar contas e está tudo bem, a incompetência vence. O outro dia vi o filme Law Abiding Citizen que aconselho aos responsáveis deste caso - quando as entidades competentes não conseguem promover a justiça, abre espaço aos malucos que a farão pelas próprias mãos. E nestes casos a coisa fica mais grave porque os incumpridores são estrangeiros - ainda há dias houve também o caso dos gémeos iraquianos filhos do embaixador. Depois anda tudo a lamentar-se que o mundo é horrível por os ingleses terem votado no brexit ou o Trump ter ganho as eleições.

Site Meter Site Meter